Estudantes e comunidade médica em luta pelo Materno São Lucas

Atendimento de serviços pediátricos em Porto Alegre pode ficar prejudicado e estudantes de medicina sem prática adequada

Atendimento de serviços pediátricos em Porto Alegre pode ficar prejudicado e estudantes de medicina sem prática adequada

Nos últimos dias 4 e 5 de março, Corpo Clínico, Funcionários, Acadêmicos e Residentes do Hospital São Lucas/PUC, em Porto Alegre no Rio Grande do Sul, foram surpreendidos com a notícia do fechamento num prazo máximo de 60 dias, de todos os serviços Materno-Infantil.

A orientação é de uma possível transferência de todas as atividades para o Hospital Presidente Vargas, mas os profissionais garantem que a instituição não possui condições estruturais para absorver todo o serviço.

“Temos um serviço de referência em várias especialidades como uti pediátrica, uti neo, ambulatório, cirurgias, um programa de cirurgia da epilepsia que é mundialmente reconhecido, temos pacientes que vem de outros países fazer esse tratamento aqui que oferece cura, e tudo isso vai ser perdido, a população vai perder, porque não tem como realocar em outros locais o que temos aqui”, afirmou a médica residente Natássia Mirana Sules em entrevista para a TV.

A comunidade acadêmica destaca que a descontinuidade dos serviços trará graves consequências para a Saúde Pública do Estado, afetando seriamente o ensino médico, inúmeros projetos de pesquisa e, principalmente, a população da Grande Porto alegre e de todo nosso estado. Só em cirurgias pediátricas são mais de 1500 realizadas por ano, as emergências chegam a mais de 1800 atendimentos por mês. A cirurgia para epilepsia destacada pela médica só é realizada em apenas cinco locais no país.

De acordo com o presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul, Marcelo Matias cerca de 75% dos atendimentos do São Lucas são pelo SUS. “Fechando a maternidade deixariam de fazer 150 partos pelo SUS e 50 por meio de outros convênios por mês”, destacou.

Para ele qualquer mudança precisa trazer garantia da manutenção da qualidade do atendimento à população.

Salve o Materno Infantil PUC

Existe uma mobilização para salvar as atividades da área materno-infantil no Hospital. Foi disponibilizado um site com mais informações e uma petição online contra o fechamento.

A justificativa para o fechamento por parte da PUC é o prejuízo financeiro causado por esses setores e a inversão da pirâmide etária no RS, justificativa, que por sinal, não é condizente com os últimos dados do IBGE. De acordo com o Instituto cada 11 minutos e 32 segundas, em média, a população do Rio Grande do Sul aumenta, e isso se dá através do nascimento de crianças.

A comunidade médica reclama da falta de diálogo para a proposição de soluções e de transparência sobre o déficit financeiro em números claros e exatos.

Os estudantes temem pela qualidade o ensino que lhes foi prometida pela “melhor universidade privada do país” e pela melhor Pós-Graduação em Pediatria do Brasil.

> Conheça a página no Facebook. 

Compartilhar: