Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

A HISTÓRIA SE REPETE? COM SALÁRIOS ATRASADOS UNIVAG (MT) ENTRA EM GREVE

O fantasma da má gestão de mantenedoras de instituições de ensino privadas deu um “rolezinho” no Rio de Janeiro e ronda agora o Mato Grosso. Em meio à onda de protesto dos estudantes da Gama Filho e da UnverCidade contra o Grupo Galileo, mais um caso vem à tona. Na manhã desta quarta-feira (22/01), a União Estadual dos Estudantes do Mato Grosso (UEE/MT) convocaram os Centros Acadêmicos do Centro Universitário de Várzea Grande (Univag), na região metropolitana de Cuiabá, para discutirem a situação da greve deflagrada pelos docentes desde a semana passada por conta da falta de pagamento dos salários.

Os professores não recebem salários desde outubro de 2013 e também não viram a cor do 13º e muito menos das férias. Como a universidade não solucionou o problema, a medida encontrada foi a greve, aprovada durante assembleia do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso (Sintrae/MT).

Na reunião, os estudantes defenderam a legitimidade da greve dos professores e deliberaram pelo apoio, construindo uma agenda de mobilização para pressionar a administração da Univag. Nesta quinta (23/01), haverá um protesto e já foi convocado outro grande ato para o o dia 03/02, quando os estudantes pretendem fechar as entradas do Univag.

“É inadmissível que o Univag fique este tempo todo sem cumprir suas obrigações com os trabalhadores, pois a instituição tem um baixo índice de inadimplência nas mensalidades, o que não justifica a administração superior e o grupo mantenedor não pagar aos professores”, destacou o presidente da UEE, Rarikan Heven.

Rarikan ainda afirma que este problema que os estudantes e professores estão enfrentando é reflexo da má gestão do Instituto Educacional Mato-grossense (IEMAT) mantenedora da Univag. “Falta também uma legislação específica para regulamentação do ensino superior privado em nosso país, sendo mais que urgente a aprovação do Projeto de Lei 4.372/2012, que cria o Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior (INSAES)”, destacou o estudante.

Da Redação com informações de Vinicius Fernandes

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo