Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

ANO NOVO, GESTÃO NOVA NA UBES

A carioca Bárbara Melo tem 19 anos, é formada em administração pelo Ensino Técnico e está se preparando para prestar vestibular. Eleita presidente da UBES durante o 40º Congresso da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES) em novembro deste ano, a partir de 2014 ela estreia como representante de  mais de 50 milhões de estudantes do ensino médio, fundamental e técnico brasileiro nos próximos dois anos. Atuante no movimento estudantil desde 2000 ela diz que o maior legado que pode deixar à frente do novo cargo seria “avançar na reformulação do ensino médio falido que temos hoje”. Em entrevista ao site da UNE ela falou um pouco dos desafios para o ano que vem. Confira:

Quais serão as principais lutas da sua gestão como presidenta da UBES?

A aprovação do PNE, garantir 10% do Pib para educação e a reformulação do Ensino Médio. Além da batalha do passe livre, porque a questão do transporte sempre dá um grande “bum” de mobilização na sociedade. As Jornadas de junho movimentaram muito o assunto e o passe-livre estudantil vai ter que sair.

No próximo ano temos eleição e Copa do Mundo. Como será a atuação da UBES à frente da juventude diante estes eventos?

Com muito protagonismo. A juventude é grande parte dos eleitores no nosso país, ela é politizada sim, porque as decisões da política tem peso no dia-a-dia dos jovens e depois das mobilizações deste ano, o próximo tende a “bombar” ainda mais. Temos já programada as Jornadas de Março de 2014 que vão defender as principais pautas da UBES.

A participação das mulheres no movimento estudantil tem sido bem evidenciada pelos cargos da presidência da UNE, da ANPG, da UBES com a Manuela Braga e agora com você. Você acha que o machismo nas entidades e de uma forma geral tem diminuído no nosso país?

Eu acho que as mulheres conseguiram um grande protagonismo, estão conseguindo uma contraofensiva ao machismo, mas infelizmente no cotidiano da sociedade ainda existe os detalhes machistas, as opressões sutis que são difíceis de acabar e às vezes dão mais trabalho. Nas entidades estudantis sem dúvida as mulheres estão tendo um protagonismo. Se eu pudesse dizer que o machismo está diminuindo eu creio que sim, mas ainda tem muita coisa pela frente.

Como você avaliou o 40º Congresso da UBES?

Foi muito participativo, muito empolgante. No último dia que fizemos aquela mega passeata foi muito bonito. Com bastante representatividade, mais de 6 mil estudantes presentes só na cena do Congresso, milhares mobilizados no País todo, com todas as eleições em escolas. Foi muito legal.

Qual o legado que você quer deixar na história da UBES?

Avançar na reformulação do ensino médio falido que temos hoje. Por que no fundo é o que todo secundarista quer, mudar essa escola quadrada e chata. Fazer uma escola mais atrativa, mais dinâmica, participativa, onde o estudante se sinta um partícipe da escola e não um cliente da escola, que são duas coisas muitas diferentes. Que ele seja um construtor da nova escola. Avançar nisso seria sensacional.

Cristiane Tada

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo