Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

GOIÂNIA: CONHEÇA A CIDADE QUE RECEBERÁ O 53º CONGRESSO DA UNE

Localizada no centro-oeste do país, a capital de Goiás tem sido conhecida como a “cidade dos estudantes”. Esse apelido carinhoso se dá não somente pelo fato de lá existir inúmeras universidades, mas também porque já há alguns anos muitas edições do maior encontro do movimento estudantil, o Congresso da UNE, são realizadas em Goiânia.

Goiás também tem um peso simbólico para toda a juventude brasileira por ser o local de nascimento de Honestino Guimarães. O líder estudantil, que nasceu em Itaberaí, a 92Km de Goiânia, foi ex-presidente da UNE, preso, torturado e morto pela ditadura militar. Honestino é também o principal caso a ser investigado pela Comissão da Verdade da UNE, que irá apresentar durante o 53º CONUNE o seu primeiro relatório de trabalho.

Uma das características mais interessantes do Congresso da UNE é reunir jovens de todos os lugares do Brasil e também alguns vindos de outros países, como Argentina, Chile, Colômbia, Venezuela e Portugal. É difícil juntar toda essa galera num país de dimensões continentais como o nosso. Por isso, Goiânia foi escolhida mais uma vez para sediar o CONUNE. A sua localização geográfica -é o ponto central do país- proporciona o encontro dos estudantes das mais diferentes cidades e a sua infraestrutura, com uma Praça Universitária e diversas universidades ao seu redor, favorece a realização de atividades tanto ao ar livre como dentro das instituições.

Para o presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE-GO), Lucas Marques, a cidade tem boas opções de lazer como o centro histórico de art decó, uma noite diversificada, e alguns museus no centro. “O goiano é muito hospitaleiro e gosta de receber pessoas de fora, a cidade está super preparada para o Congresso”, afirma Lucas. Segundo o presidente, a sede do evento, Praça Universitária (que leva o nome oficial de Honestino Guimarães) é “um charme a parte.”

Com clima seco, Goiânia tem belos parques e boas opções de restaurantes, principalmente no Setor Marista (lá, os bairros são chamados de “setores”). É uma cidade planejada, erguida nos anos 1930 – o que explica o grande número de edifícios art déco no Centro.  Para quem gosta de arquitetura, vale o passeio para conhecer o teatro e outras construções que levam esse estilo. Não é difícil se perder nas largas avenidas arborizadas que até servem de referência, mas as ruas numeradas não seguem uma ordem lógica aparente – muitas delas são circulares ou semicirculares, o que tira a lógica dos quarteirões. Então, cuidado! Ao pedir informações, o melhor a fazer é dizer o nome do local que você quer visitar ou procurar as placas da Praça Cívica – que dá acesso a todos os bairros.

Situada a 210 km da capital nacional, Goiânia possui ainda vários parques. Hoje, há 94 km² de área verde por habitante, o que coloca a capital goiana na lista das mais arborizadas do país. Entre um passeio e outro, não faltam opções de bares, sorveterias, cafés e restaurantes, a maioria instalada nos “setores” Bueno e Marista.

A culinária goiana é uma atração a parte. A cozinha une ingredientes locais, sabores indígenas e a influência dos paulistas, que buscaram ouro em Goiás no século 18, para criar receitas típicas. O pequi, fruto do Cerrado, é usado na galinhada e na composição de um licor servido após as refeições (cuidado ao consumi-lo, pois o fruto esconde espinhos abaixo da polpa). Outras receitas comuns: empadão goiano (frango, carne de porco, linguiça, palmito de guariroba e queijo), peixe na telha, arroz-de-puta-rica (com carnes defumadas), arroz com suã (espinha de porco), angu (milho verde ralado e cozido na água até engrossar) e leitão a pururuca. Para provar algumas das especialidades da culinária local, vale conhecer as feiras, famosas por lá.

Aproveite que irá para Goiânia no 53º Congresso da UNE e conheça algumas das atrações turísticas da cidade:

Monumento à Paz: é uma ampulheta de cinco metros de altura, com quinhentas toneladas, que abriga terras de vários países.

Monumento às Três Raças: é o símbolo da cidade. Ao projetá-la, a artista plástica, Neusa Moraes, simbolizou a miscigenação das três raças: branco, negro e índio. 

Museu da Praça Universitária: o museu a céu aberto disponibiliza obras de arte de escultores.

Museu Goiano: instalado num dos prédios que compõe o conjunto arquitetônico da Praça Cívica. Tem como principal missão preservar a memória de Goiás. 

Painéis da Via Sacra: a maior galeria de arte a céu aberto do mundo é formada por 14 painéis de dez metros de comprimento por quatro metros de altura. Retrata os principais momentos da paixão de Cristo. Tem 16 quilômetros de extensão e simboliza a área limítrofe entre a capital e o município de Trindade.

Praça Universitária – onde acontecerá a maior parte das atividades do CONUNE: ao circular toda a praça, o visitante irá encontrar as principais Universidades do Estado de Goiás e da capital: Universidade Católica de Goiás (UCG) e Universidade Federal de Goiás (UFG).

Feira da Lua: realizada nas noites de sábado, na famosa Praça Tamandaré, o local apresenta os mais variados tipos de comida e produtos naturais. Conta com 930 expositores do setor de alimentos, artesanatos, produtos místicos e de recreação infantil.

Feira Hippie: está instalada em um ponto histórico da cidade – a antiga estação ferroviária, com vista para a Maria Fumaça. Pode-se comprar objetos artesanais, calçados, comidas típicas e produtos importados espalhados pelas 5.954 barraquinhas. É a maior feira ao ar livre da América Latina.

Centro Cultural Jesko Puttkamer: instalado na antiga casa do pesquisador Jesko Puttkamer, no Setor Bueno, doada à Universidade Católica de Goiás (UCG), o Centro Cultural reúne centenas de peças arqueológicas. A maioria resgata a história da ocupação humana do Centro-Oeste desde a pré-história até a chegada dos grupos de caçadores, coletores, ceramistas e agricultores. Uma exposição permanente de fotos registra momentos importantes do pesquisador nas aldeias indígenas e do Brasil selvagem que ele conheceu em diversas regiões do País.

Endereço: Av. T-3, nº 1.732, Setor Bueno

Telefone: 3251-0721

Horário: segunda a sexta-feira, 8h às 21h, sábado, 8h às 12h

Entrada franca

Natália Vaquelli

Com informações da Prefeitura de Goiânia

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo