Pular para o conteúdo Pular para o Mapa do Site

ESTUDANTES DA UNESP DE OURINHOS ESTÃO EM GREVE POR TEMPO INDETERMINADO

Duzentos e noventa estudantes da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” ( Unesp) do campus de Ourinhos estão em greve  como protesto ao atraso de três meses no recebimento das bolsas de extensão. Alguns estudantes alegam que dependem dos R$ 350,00, repassados pela universidade, para se manter. Além disso, segundo ele algumas bolsas de pesquisa são remuneradas apenas durante dez meses do ano.

De acordo com o estudante Henrique Nascimento Sertório, quem recebe as bolsas de extensão são estudantes de baixa renda que precisam de alguma complementação para se manter na cidade. “As principais pautas são o pagamento das bolsas e a duração delas por 12 meses”, comentou.

Wellington Leandro, estudante que depende da bolsa de extensão, afirma que para alguns, o dinheiro também é necessário para ser enviado a dependentes. “Além de me manter aqui na Unesp Ourinhos, também preciso enviar dinheiro para a minha filha em Bauru”, afirmou.

Outra reivindicação dos grevistas é a falta de moradia universitária ou a criação de um auxílio aluguel. “Queremos alugueis de casas para os alunos, inclusive a coordenadoria disse que isso não é difícil de conseguir”, esclareceu o estudante Gabriel da Silva. Para ele, essa atitude já amenizaria o problema.

O campus da Unesp de Ourinhos possui apenas o curso de geografia e está tomado por faixas e cartazes, que indicam as reivindicações que levaram os estudantes a entrar em greve. Alguns deles estão acampados desde a noite da última quarta-feira (17/4). As aulas estão suspensas e assembléias sendo realizadas com frequência, para decidir os passos do movimento.

Segundo os estudantes, os problemas apontados em Ourinhos são comuns também em outros campus do Estado. Por isso, o comando de greve tem se reunido com representantes das UNESPs de Assis, Marília, Bauru e São Paulo na tentativa de unificar o movimento.

A Reitoria da Unesp informou que o atraso do pagamento das bolsas é devido a uma reorganização administrativa feita no início do ano no Departamento de Gestão de Bolsas. A expectativa é de que tudo seja regularizado até maio. Quanto ao pedido de moradia, a Reitoria informou que esse assunto deve ser tratado isoladamente em cada campus.

Natália Vaquelli

Pular para o Conteúdo Pular para o Topo