1964
13/03
1964

COMÍCIO DAS REFORMAS

COMÍCIO DAS REFORMAS

Começa o Comício da Central, também conhecido como o Comício das Reformas, que reuniu 150 mil pessoas na Praça da República, localizada em frente à Estação da Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Foi nesse Comício que o então presidente da República, João Goulart, reafirmou a decisão de fazer a reforma agrária e promover várias reformas de base no Brasil.

01/04
1964

SEDE DA UNE INCENDIADA

SEDE DA UNE INCENDIADA

Sem dúvida, a juventude foi a principal atingida após João Goulart tomar um golpe no dia 31 de março de 1964 e o nome do general Castelo Branco ser indicado pelos militares, que escolheu os jovens e seus sonhos como a sua maior ameaça, como o inimigo a ser combatido, aniquilado. A grande evidência dessa escolha está na primeira ação organizada desse grupo, logo assim que roubou o poder, naquela fatídica noite entre o dia 31 de março e primeiro de abril: o incêndio e fuzilamento da UNE, na Praia do Flamengo, 132, no Rio de Janeiro. A grande imprensa, à luz da época, apoiou as atrocidades da ditadura militar.

13/04
1964

UNB INVADIDA

UNB INVADIDA

O Diário Oficial publica um decreto que extingue o mandato de todos os membros do conselho diretor da Universidade de Brasília. Nesse mesmo dia, ocorre uma invasão policial e a intervenção na UnB.

15/04
1964

PRIMEIRO DITADOR

PRIMEIRO DITADOR

General Castelo Branco é o primeiro ditador do golpe militar. Fica decretado o Ato Institucional nº 1 (AI-1) que confere ao presidente da República poderes para cassar mandatos eletivos e suspender direitos políticos até 15 de junho de 1964, entre outros poderes discricionários.

09/05
1964

MARIGHELLA PRESO

MARIGHELLA PRESO

Agentes do DOPS seguiram Marighella, líder da Ação Libertadora Nacional (ALN) e um dos grandes nomes da luta armada, até o cinema da Tijuca, zona norte do Rio. As luzes do salão se acenderam e Marighella resistiu à voz de prisão gritando: “Abaixo a ditadura militar fascista!”. Ferido à bala no peito, passou dois meses na cadeia, incomunicável, sendo exaustivamente interrogado até a concessão do habeas-corpus. Teve que voltar à clandestinidade, em virtude da decretação de sua prisão preventiva pela Justiça Militar de São Paulo.

13/06
1964

DITADURA MOSTRA SUA CARA

DITADURA MOSTRA SUA CARA

Criado o Serviço Nacional de Investigações (SNI). O objetivo do SNI era supervisionar e coordenar as atividades de informações e contra-informações no Brasil e exterior. Em função de sua criação, foram absorvidos o Serviço Federal de Informações e Contra-Informações (SFICI-1958) e a Junta Coordenadora de Informações (JCI-1959).

27/10
1964

UNE NA CLANDESTINIDADE

UNE NA CLANDESTINIDADE

Ditadura Militar declara oficialmente a extinção da UNE. Sem perder seu poder de organização, seus sonhos e sua força, a entidade continua realizando encontros e defendendo bandeiras.

09/11
1964

LEI SUPLICY DE LACERDA

LEI SUPLICY DE LACERDA

Sancionada a Lei n. 4.464 (Lei Suplicy) proibindo atividades políticas estudantis. A Lei Suplicy de Lacerda coloca oficialmente na ilegalidade a UNE e as UEEs, que passam a atuar na clandestinidade. Todas as instâncias da representação estudantil, a partir de então, ficam submetidas ao MEC.

1965
26/04
1965

A MÍDIA DE MÃOS ATADAS

A MÍDIA DE MÃOS ATADAS

Coma a ajuda da ditadura militar, que rendeu benefícios à família Marinho, é inaugurada no Rio de Janeiro a Organização Globo de Televisão.

02/06
1965

INVASÃO AO CRUSP

INVASÃO AO CRUSP

Polícia Militar invade o Crusp (alojamento estudantil da USP) durante uma greve.

10/07
1965

27º CONGRESSO DA UNE

27º CONGRESSO DA UNE

27º Congresso da UNE, em SP, reorganiza na ilegalidade a entidade proibida em 64. Altino Arantes (AP) é eleito presidente.

10/10
1965

CONFUSÃO NA UNB

CONFUSÃO NA UNB

O Reitor da UnB suspende as atividades do campus e pede intervenção policial devido a greve de professores. Oito dias depois, 156 professores pedem demissão da UnB após a publicação de lista de desligamento de 15 docentes. No dia seguinte, mas 43 professores fazem o mesmo.

27/10
1965

ATO INSTITUCIONAL Nº2 EXTINGUE PARTIDOS

ATO INSTITUCIONAL Nº2 EXTINGUE PARTIDOS

O general Castelo Branco impõe sua reforma partidária: pelo Ato Institucional nº 2, extingue os 13 partidos políticos existentes, suprime a eleição direta para presidente e reabre as cassações.

26/11
1965

FUNDAÇÃO DO MDB

FUNDAÇÃO DO MDB

Fundado por imposição da ditadura o MDB (Movimento Democrático Brasileiro, hoje PMDB), de oposição, a princípio formal, ao regime de 1964.

1966
28/07
1966

28º CONGRESSO DA UNE

28º CONGRESSO DA UNE

Mesmo na ilegalidade, é realizado o 28º Congresso da UNE, em Belo Horizonte, que marca a oposição da entidade ao Acordo MEC-Usaid. O congresso acontece no porão da Igreja de São Francisco de Assis. O mineiro José Luís Moreira Guedes é eleito presidente da UNE e Renato Rebelo, vice.

12/09
1966

EDUCAÇÃO PEDE SOCORRO

EDUCAÇÃO PEDE SOCORRO

As aulas na Faculdade Nacional de Direito são suspensas e 178 estudantes paulistas são presos durante um congresso realizado pela UNE-UEE, em São Bernardo do Campo. Ao mesmo tempo, o General Castelo Branco cria o Movimento Universitário para o Desenvolvimento Econômico e Social (Mudes).

14/09
1966

CHOQUE ENTRE ESTUDANTES E DOPS

CHOQUE ENTRE ESTUDANTES E DOPS

Alunos da Faculdade Nacional de Odontologia no Rio de Janeiro entram em greve de protesto e colocam cartazes nas imediações da faculdade. Há choque entre os estudantes e policiais do Dops.

22/09
1966

DIA NACIONAL DE LUTA CONTRA DITADURA

DIA NACIONAL DE LUTA CONTRA DITADURA

A UNE elege o dia 22 de setembro como o Dia Nacional de Luta contra a Ditadura.

23/09
1966

MASSACRE DA PRAIA VERMELHA

MASSACRE DA PRAIA VERMELHA

A polícia invade a Faculdade de Medicina da UFRJ e expulsa estudantes com violência, O episódio ficou conhecido como o Massacre da Praia Vermelha e acabou com a prisão de 600 estudantes.

1967
24/01
1967

NOVA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA

NOVA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA

O Congresso referenda a Constituição outorgada pelo general Castelo Branco. Manifesto do MDB pede sua revisão.

25/01
1967

CONSELHO DE SEGURANÇA NACIONAL ESCANCARA A DITADUTA MILITAR

CONSELHO DE SEGURANÇA NACIONAL ESCANCARA A DITADUTA MILITAR

Criado o Conselho de Segurança Nacional, núcleo real da ditadura militar. O CSN passou a ser órgão máximo de assessoramento ao presidente da República na aplicação da política de segurança e foi responsável pela aprovação do Ato Institucional 5, conhecido como o mais nefasto entre os AI, pois permitiu a cassação de mandatos, censura à imprensa e supressão de direitos políticos.

13/03
1967

PRIMEIRA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL

PRIMEIRA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL

Criada a 1ª Lei de Segurança Nacional da ditadura, que ficou conhecida como Dec-lei 313. Ela transformava em legislação a doutrina de Segurança Nacional, que era fundamento do Estado após o golpe.

15/03
1967

SEGUNDO DITADOR

SEGUNDO DITADOR

Tomam posse o marechal Costa e Silva e o vice Pedro Aleixo. Neste mesmo dia, entra em vigor a nova Lei de Segurança Nacional e a Constituição de 1967, que anula as disposições do AI-2.

03/04
1967

EXÉRCITO X GUERRILHEIROS

EXÉRCITO X GUERRILHEIROS

O Exército prende oito guerrilheiros do MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário) que tentavam implantar foco guerrilheiro contra a ditadura na serra de Caparaó, divisa de MG-ES.

11/08
1967

29º CONGRESSO DA UNE

29º CONGRESSO DA UNE

É realizado o 29º Congresso da UNE, em Valinhos (SP), na clandestinidade. Luís Travassos é eleito presidente da entidade.

1968
16/04
1968

INÍCIO DAS GREVES EM CONTAGEM

INÍCIO DAS GREVES EM CONTAGEM

Começa uma das maiores greves sindicalistas em Contagem, em MG, que paralisa quase sete mil operários metalúrgicos. A reivindicação era de aumento imediato de 25% nos salários, mas os patrões limitavam-se a oferecer apenas 10% que, ainda por cima, seria descontado na data-base. Foram tentativas fracassadas de intimidação e contenção do movimento. A persistência dos trabalhadores provocou uma violenta reação do governo. A polícia militar ocupou as ruas de Contagem reprimindo qualquer tentativa de assembléias e aglomerações operárias. Os patrões aproveitaram para convocar os trabalhadores nas suas próprias casas, sob a ameaça de demissão sumária e por justa causa. Mesmo nesta tensão os operários resistiram ainda alguns dias. Tal demonstração de força e coragem incentivou organizações que se opunham à ditadura, alimentando o sonho de liberdade e justiça social.

28/03
1968

O TERRÍVEL ASSASSINATO DO ESTUDANTE EDSON LUÍS

O TERRÍVEL ASSASSINATO DO ESTUDANTE EDSON LUÍS

O paraense Edson Luís, com apenas 18 anos, alguns trocados no bolso e todos os sonhos na mochila era assassinado pela ditadura no restaurante estudantil Calabouço, no Rio de Janeiro. Na época, os estudantes estavam organizando uma passeata relâmpago para protestar contra o alto preço da comida servida no Calabouço. A Polícia Militar, que outras vezes já havia reprimido os estudantes no local, chegou ao restaurante com muita repressão. Na invasão, cinco jovens ficaram feridos e dois foram mortos pela polícia. Um foi Benedito Frazão Dutra, que morreu no hospital, o outro foi Edson, o primeiro estudante oficialmente morto pela ditadura, que levou um tiro covarde no peito à queima-roupa de uma arma calibre 45. O episódio marcou a resistência estudantil contra o regime militar com o lema "Mataram um estudante, podia ser seu filho"; 50 mil vão ao enterro.

30/03
1968

MAIS REPRESSÃO

MAIS REPRESSÃO

O ministro da Justiça, Gama e Silva, determina a repressão das passeatas estudantis.

01/05
1968

PROTESTO INÉDITO DE TRABALHADORES EM SÃO PAULO

PROTESTO INÉDITO DE TRABALHADORES EM SÃO PAULO

Trabalhadores de S. Paulo jogam pedras no governador Abreu Sodré, tomam o palanque da Praça da Sé e fazem protesto contra a ditadura, inédito desde 64.

22/05
1968

MAIORIDADE PENAL EM RISCO

MAIORIDADE PENAL EM RISCO

Lei N. 5.439 estabelece responsabilidade criminal para menores de 18 anos envolvidos em ações contra a segurança nacional.

21/06
1968

SEXTA SANGRENTA

SEXTA SANGRENTA

O que era uma passeata estudantil por mais verbas para a educação se transformou em uma batalha de bala, cassetetes e pedras, entre estudantes e a Polícia Militar no Rio. Com a Avenida Rio Branco interditada, milhares de pessoas foram atraídas às janelas dos edifícios. Esses espectadores, em repúdio à repressão da manifestação, lançaram um mundo de coisas contra os policiais. O Centro do da Cidade foi paralisado ao meio-dia, permanecendo assim por oito horas. Ao final, um policial foi morto e presumivelmente, 28 civis. Cerca de 80 pessoas ficaram feridas e mais de mil prisões foram efetuadas.

26/06
1968

PASSEATA DOS 100 MIL

PASSEATA DOS 100 MIL

Permitida, depois de dias sangrentos, uma manifestação marcada para o dia 26 de junho, vigiada por mais de 10 mil policiais e composta por estudantes, artistas, religiosos e intelectuais pelas ruas do centro da cidade do Rio de Janeiro. Além de protestar contra a ditadura, os estudantes protestavam contra a privatização do ensino, na época, já sinalizada pelo governo. O governo abria caminhos para a instauração do ensino particular pago em todos os níveis, incluindo o superior, e a tendência de cursos pragmáticos com o intuito de somente formar mão-de-obra para as empresas capitalistas, esquecendo a formação de cidadãos. A passeata dos 100.000 iniciou às 14h, com cerca de 50 mil pessoas, número que dobrou em uma hora.

05/07
1968

E O DIREITO À RUA?

E O DIREITO À RUA?

A ditadura proíbe manifestações públicas no país.

18/07
1968

ATAQUE AO ELENCO RODA VIVA

ATAQUE AO ELENCO RODA VIVA

O CCC (Comando de Caça aos Comunistas) ataca em S. Paulo o elenco da peça Roda viva (Chico Buarque-José Celso Martinez).

02/10
1968

BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

Confronto entre os alunos da Faculdade de Filosofia da USP e os estudantes do Mackenzie, que ficou conhecido como a Batalha da Maria Antonia. O nome faz referência à rua onde estavam localizadas as duas universidades, vizinhas à época, no cento de São Paulo. O conflito começou após alunos do Mackenzie atirarem ovos em estudantes da USP, que cobravam pedágio na rua Maria Antonia a fim de custear o congresso clandestino da UNE. Em meio à ditadura, os estudantes da Faculdade de Filosofia da USP defendiam ideais de esquerda e os da Mackenzie estavam alinhados a ideais conservadores defendidos por integrantes do Comando de Caça aos Comunistas (CCC). O resultado foi a morte do estudante secundarista José Carlos Guimarães, aos 20 anos de idade, com um tiro na cabeça, outros três universitários baleados e dezenas de feridos. Apesar da morte, a batalha prosseguiu até que o prédio da USP foi incendiado, ocasionando a transferência da faculdade para o atual campus, no Butantã. Hoje, o edifício restaurado abriga o espaço cultural Centro Universitário Maria Antônia.

14/10
1968

30º CONGRESSO DA UNE EM IBIÚNA

30º CONGRESSO DA UNE EM IBIÚNA

A polícia prende em Ibiúna, SP, 1.240 participantes do 30º congresso da UNE, entre eles as principais lideranças do movimento estudantil: Luís Travassos (presidente eleito), Vladimir Palmeira, José Dirceu, Franklin Martins e Jean Marc Von Der Weid. Nos protestos que se seguem em todo o país, surge a palavra-de-ordem "A UNE somos nós, nossa força, nossa voz!". É criado um comitê de mães dos presos.

13/12
1968

AI-5

AI-5

O governo militar fecha o Congresso, ordena a prisão de Jucelino Kubistchek e decreta o Ato Institucional nº 5, que cassa dezenas de mandatos, permite intervenção nos Estados e municípios, suspende garantia de habeas corpus em casos de crime contra a segurança nacional e confisca bens e Centros Cívicos substituem os Grêmios Estudantis.

1969
26/02
1969

ESCOLA E BOCA LACRADA

ESCOLA E BOCA LACRADA

Decretada a Lei N.477que dispõe sobre infrações disciplinares praticadas por professores, alunos, funcionários ou empregados de estabelecimentos de ensino. Penaliza também professores, alunos e funcionários de estabelecimentos de ensino público (até 1973, esse decreto atingiria 263 pessoas, a maioria estudantes).

02/07
1969

OPERAÇÃO BANDEIRANTES

OPERAÇÃO BANDEIRANTES

É oficialmente criada a Oban (Operação Bandeirantes) dentro do comando do 2º Exército, em São Paulo. A Oban passa a comandar a repressão contra a guerrilha armada.

31/08
1969

COSTA E SILVA AFASTADO E PRESIDENTE DA UNE PRESO

COSTA E SILVA AFASTADO E PRESIDENTE DA UNE PRESO

Junta Militar, formada pelos ministros militares, assume o poder em função da doença de Costa e Silva, impedindo a posse do vice-presidente da República, que não concordara com o Ato Institucional N.5. O presidente da UNE, Jean Marc Von Der Weid, é preso.

04/09
1969

MR-8 E O EMBAIXADOR ELBRICK

MR-8 E O EMBAIXADOR ELBRICK

Comando da ALN-MR-8 sequestra o embaixador Elbrick, dos EUA, trocado pela libertação de 15 presos políticos. Durante a ditadura, outros embaixadores foram seqüestrados para libertação de presos políticos, como o embaixador suiço Bucher, vítima do mais longo seqüestro político no Brasil, o alemão Holleben e o japonês Nobuo Okushi.

18/09
1969

MORTE E PRISÃO PERPÉTUA

MORTE E PRISÃO PERPÉTUA

Nova Lei de Segurança Nacional, a pior: inclui as penas de morte, prisão perpétua e banimento.

25/10
1969

TERCEIRO DITADOR

TERCEIRO DITADOR

O general Emílio Gasrrastazu Médici é o terceiro ditador do regime militar. Foi no governo de Médici que aconteceu o auge da ação dos instrumentos de repressão e tortura, instalados a partir de 1968.

04/11
1969

MORRE CARLOS MARIGUELA

MORRE CARLOS MARIGUELA

Carlos Mariguela, 57 anos, constituinte comunista de 46, dirigente da ALN (Aliança Libertadora Nacional) é executado em armadilha do grupo do delegado Fleury, na alameda Casa Branca, em São Paulo.

1970
26/01
1970

CENSURA À IMPRENSA

CENSURA À IMPRENSA

O Decreto 1077, do min. Buzaid, impõe a censura prévia à imprensa, como jornais, livros e revistas.

22/03
1970

EVARISTO ARNS NOMEADO ARCEBISPO

EVARISTO ARNS NOMEADO ARCEBISPO

Dom Paulo Evaristo Arns é nomeado arcebispo de São Paulo, ele abre um importante canal de denúncias contra a ditadura

18/04
1970

AÇÃO CONTRA LAMARCA E OUTROS GUERRILHEIROS

AÇÃO CONTRA LAMARCA E OUTROS GUERRILHEIROS

Noticiada ação de 5 mil soldados no vale do Ribeira, SP, contra escola de guerrilha sob comando de Lamarca. Os guerrilheiros rompem o cerco no começo de maio.

1971
30/03
1971

CENIMAR A TODO VAPOR

CENIMAR A TODO VAPOR

Decreto N.68.447 reorganiza o Centro de Informações da Marinha (Cenimar).

14/06
1971

STUART ANGEL É MORTO

STUART ANGEL É MORTO

O militante do MR8 Stuart Angel é preso, torturado e morto no Centro de Informação de Segurança da Aeronautica (Cisa), na Base Aérea do Galeão, no Rio.

02/09
1971

HONESTINO GUIMARÃES É ELEITO PRESIDENTE DA UNE

HONESTINO GUIMARÃES É ELEITO PRESIDENTE DA UNE

Honestino Guimarães, vice de Jean Marc Von Der Weid, é efetivado presidente da UNE, em micro congresso, o 31ºda entidade, realizado clandestinamente na baixada fluminense.

17/09
1971

MORRE LAMARCA

MORRE LAMARCA

Após dias de caçada no sertão baiano, a repressão encurrala e executa a sangue-frio, em Ipupiara, Bahia, o capitão-guerrilheiro Carlos Lamarca.

17/11
1971

DECRETOS SECRETOS

DECRETOS SECRETOS

Médici arroga-se por decreto-lei o direito de editar decretos secretos.

1972
12/04
1972

GUERRILHA DO ARAGUAIA

GUERRILHA DO ARAGUAIA

Cinco mil soldados do Exército, Aeronáutica e PM atacam moradores do sul do Pará. Militantes decidem resistir, com apoio local. Começa o mais importante episódio da resistência armada à ditadura, que desafiará os generais por três anos.

16/06
1972

MORRE A JOVEM GUERIRLHEIRA MARIA LÚCIA PETIT

MORRE A JOVEM GUERIRLHEIRA MARIA LÚCIA PETIT

Abatida a sangue frio pelo Exército, com uma bala na cabeça, aos 22 anos, Maria Lúcia Petit. Ela será a 1ª guerrilheira do Araguaia a ter seu corpo identificado, em 1996. Seus irmãos Jaime e Lúcio também morrerão na guerrilha.

1973
17/03
1973

MORRE ALEXANDRE VANNUCCHI LEME

MORRE ALEXANDRE VANNUCCHI LEME

Alexandre Vannucchi Leme, aluno da Universidade de São Paulo (USP), é preso e morto pelos militares. A missa em sua memória, realizada em 30 de março na Catedral da Sé, em São Paulo, é o primeiro grande movimento de massa desde 1968.

07/10
1973

3ª CAMPANHA CONTRA A GUERRILHA DO ARAGUAIA

3ª CAMPANHA CONTRA A GUERRILHA DO ARAGUAIA

Após duas expedições fracassadas, o Exército inicia a 3ª e última campanha contra a Guerrilha do Araguaia, sem usar uniformes nem fazer prisioneiros.

10/10
1973

HONESTINO GUIMARÃES DESAPARECE

HONESTINO GUIMARÃES DESAPARECE

O líder estudantil Honestino Guimarães, 26 anos, pres. da UNE, jurado de morte pelos órgãos repressivos, é preso no Rio pela CENIMAR e desaparece. Nos anos seguintes torna-se, ao lado de Édson Luís, o símbolo da resistência estudantil à ditadura. Deixou uma filha, Juliana, a quem chamava de “Jabuti”.

1974
15/03
1974

QUARTO DITADOR

QUARTO DITADOR

General Ernesto Geisel vira o quarto ditador do regime militar.

22/05
1974

ATIVIDADE NA USP

ATIVIDADE NA USP

É criado o Comitê de Defesa dos Presos Políticos na Universidade de São Paulo (USP).

1975
25/10
1975

MORRE WLADIMIR HERZOG

MORRE WLADIMIR HERZOG

Torturado até a morte por asfixia, no Doi-Codi-SP, o jornalista da TV Cultura Wladimir Herzog, de 38 anos. O Legista Harry Shibata atesta suicídio, sem ver o corpo. O assassinato provoca o um protesto de massas com mais de 10 mil pessoas na Catedral da Sé.

1976
04/07
1976

CENSURA NA IMPRENSA

CENSURA NA IMPRENSA

A censura proíbe o jornal Movimento de publicar a Declaração de Independência dos EUA, que completa 200 anos.

18/09
1976

OAB EM CHAMAS

OAB EM CHAMAS

Bombas explodem na ABI e na OAB.

16/12
1976

CHACINA DA LAPA

CHACINA DA LAPA

Em episódio que fica conhecido como "chacina da Lapa", agentes da repressão abrem fogo contra uma casa em São Paulo onde estavam reunidos militantes do PCdoB. Pedro Pomar e Ângelo Arroyo, dirigentes do partido, morrem no local.

1977
30/03
1977

PASSEATA DA USP

PASSEATA DA USP

Passeata estudantil da USP no Largo de Pinheiros, em São Paulo, é a primeira nos anos 70 e dribla a repressão.

01/04
1977

CONGRESSO FECHADO

CONGRESSO FECHADO

Geisel fecha o Congresso para baixar o Pacote de Abril: eleição indireta dos governadores e nomeação de senadores biônicos.

19/05
1977

GREVE NA UNB

GREVE NA UNB

Dia nacional de luta estudantil pela Anistia. Na UNB, Brasília, 17 punições deflagram uma greve.

12/07
1977

GREVE DOS METALÚRGICOS

GREVE DOS METALÚRGICOS

O líder sindical Luiz Inácio da Silva mobiliza a greve dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP).

22/09
1977

PUC-SP INVADIDA

PUC-SP INVADIDA

A PM do cel. Erasmo Dias invade a PUC-SP para reprimir encontro estudantil. Incendeia o local, prende 800 e queima gravemente duas universitárias.

1978
18/03
1978

PROFESSORES PRESOS EM CURITIBA

PROFESSORES PRESOS EM CURITIBA

Onze educadores presos em Curitiba, acusados de doutrinação marxista em escola pré- primária.

12/05
1978

GREVE DO ABC

GREVE DO ABC

Greve de 1.600 operários da Saab-Scania, em São Bernardo, São Paulo, por aumento de 20%, marca o renascimento das lutas operárias pós 64.

08/06
1978

ACABA CENSURA PRÉVIA À IMPRENSA

ACABA CENSURA PRÉVIA À IMPRENSA

Em oito anos, a imprensa foi proibida até de publicar a Declaração de Independência dos EUA. Sufocou jornais como Opinião e Movimento. Fez O Estado de S. Paulo esgotar os versos dos Luisíadas, que colocava no lugar das matérias censuradas. Nos dias seguintes, a imprensa dedica grandes reportagens à Guerrilha do Araguaia, antes um tema proibido.

15/10
1978

QUINTO DITADOR

QUINTO DITADOR

O general João Baptista Figueiredo é eleito presidente da Republica pelo Colégio Eleitoral.

1979
29/05
1979

CONGRESSO DE RECONSTRUÇÃO DA UNE

CONGRESSO DE RECONSTRUÇÃO DA UNE

Depois de 15 anos, a UNE, entre duras penas, tentou voltar a legalidade por meio do 31º congresso da entidade. A reconstrução da UNE foi um período de transição democrática e da conquistas de espaços, que naquele momento eram influenciados por movimentos de juventude de todo o mundo. O Congresso da reconstrução da UNE foi aberto pelo então presidente da entidade, José Serra. O encontro foi realizado no dia 30 de maio de 1979, no Centro de Convenções da Bahia e reuniu cerca de dez mil estudantes de todo país. Uma cadeira, no entanto, ficara vazia: era a de Honestino Guimarães, assassinado pela ditadura.

14/08
1979

20 MIL SAEM ÀS RUAS PELA ANISTIA

20 MIL SAEM ÀS RUAS PELA ANISTIA

20 mil vão às ruas no Rio pela anistia ampla, geral e irrestrita, e não a do gen. Figueiredo, mutilada e "recíproca".

22/08
1979

LEI DE ANISTIA

LEI DE ANISTIA

O Congresso vota a Lei de Anistia, sancionada dia 28 do mesmo mês. A esquerda do MDB rejeita seu caráter recíproco, parcial e restrito, mas ainda assim, é uma conquista. Parte dos presos políticos é libertada, entre eles Aldo Arantes, ex-presidente da UNE. Os exilados retornam à pátria, os clandestinos voltam à superfície.

1980
17/04
1980

INÍCIO DAS OBRAS DO MEMORIAL JK

INÍCIO DAS OBRAS DO MEMORIAL JK

Início das obras do memorial JK, em Brasília. Os guardiães da ditadura enxergam nas formas do projeto, do grande arquiteto Oscar Niemeyer, uma alusão velada à foice e um martelo e falam até em vetar.

01/06
1980

DEMOLIÇÃO DO PRÉDIO DA UNE

DEMOLIÇÃO DO PRÉDIO DA UNE

O prédio da Praia do Flamengo, 132, que sediou as entidades estudantis, no Rio de Janeiro, é demolido por ordem do presidente Joâo Batista Figueredo. A UNE se instala no antigo casarão da Rua do Catete, nº 234. A opção foi histórica: neste prédio funcionou, de 1912 a 1937, a Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Centro Acadêmico Candido Oliveira, entidades cruciais para a fundação da entidade.

27/08
1980

BOMBA NA OAB

BOMBA NA OAB

Carta-bomba explode na sede da OAB e mata a secretária Lydia Monteiro. Desde janeiro deste ano, diversas bombas explodiram ou foram encontradas no país.

13/11
1980

ALDO REBELO É ELEITO PRESIDENTE DA UNE

ALDO REBELO É ELEITO PRESIDENTE DA UNE

Com a presença do então sindicalista Luís Inácio Lula da Silva, antes mesmo da consolidação do Partido dos Trabalhadores, Aldo Rebelo é eleito presidente da UNE, no 32º Congresso da entidade, em Piracicaba (SP).

1981
30/04
1981

CASO RIOCENTRO

CASO RIOCENTRO

Integrantes do DOI do I Exército explodem acidentalmente uma bomba que planejam usar num atentado durante o show do 1º de Maio, no Rio Centro, Rio de Janeiro. As apurações acobertam tudo e o militar sobrevivente sai condecorado. O episódio desmoraliza a "abertura" do gen. Figueiredo e engrossa as filas oposicionistas.

12/11
1981

33º CONGRESSO DA UNE ELEGE JAVIER ALFAYA

33º CONGRESSO DA UNE ELEGE JAVIER ALFAYA

O 31º Congresso elege Javier Alfaya, nascido na Espanha. O ministério da Justiça tenta expulsar o estudante do país, desencadeando uma campanha nacional dos jovens chamada “Javier é brasileiro”.

1982
30/09
1982

UNE ELEGE SUA PRIMEIRA PRESIDENTA

UNE ELEGE SUA PRIMEIRA PRESIDENTA

O 34º Congresso da UNE, em Piracicaba, São Paulo, elege pela 1ª vez uma presidenta, a Clara Araújo.

15/11
1982

OPOSIÇÃO FORTALECIDA

OPOSIÇÃO FORTALECIDA

A oposição, em conjunto, conquista maioria na Câmara dos deputados. A oposição vence nos maiores Estados a 1ª eleição para governadores desde 1965.

1983
21/09
1983

CONGRESSO REJEITA DECRETO PRESIDENCIAL

CONGRESSO REJEITA DECRETO PRESIDENCIAL

Com as galerias lotadas, o Congresso rejeita pela 1ª vez desde 1964 um decreto do presidente. É o 2024, de arrocho dos salários.

27/11
1983

COMÍCIO PRÓ-DIRETAS

COMÍCIO PRÓ-DIRETAS

Acontece o 1º comício pró-diretas: 10 mil pessoas lotam o Pacaembu, em São Paulo pela eleição direta para presidente da república.

1984
25/01
1984

1º GRANDE COMÍCIO PELAS DIRETAS

1º GRANDE COMÍCIO PELAS DIRETAS

O primeiro comício gigante da campanha “Diretas Já” reúne 300 mil na Praça da Sé, centro de São Paulo. A TV Globo não cobre o evento. A UNE começa a colorir as manifestações com suas bandeiras e inscreve seus oradores nos comícios.

16/04
1984

MAIOR MANIFESTAÇÃO DA HISTÓRIA DO BRASIL

MAIOR MANIFESTAÇÃO DA HISTÓRIA DO BRASIL

Comício de 1,7 milhões de pessoas pelas Diretas-Já, no Anhangabau, em São Paulo, consagra a campanha pela eleição direta como a maior manifestação de história do Brasil.

25/04
1984

PERDE-SE A BATALHA, MAS NÃO A GUERRA

PERDE-SE A BATALHA, MAS NÃO A GUERRA

Apesar da inédita campanha de massas com oito milhões nas ruas em 100 dias, a emenda das Diretas não passa na Câmara. Tem 298 votos a favor (65 contra, 112 ausências), 22 menos que os 2/3 exigidos. Mesmo assim, a ditadura sai do episódio ferida e fraca.

14/09
1984

UNE APOIA TANCREDO NEVES

UNE APOIA TANCREDO NEVES

A UNE apóia a candidatura de Tancredo Neves à presidência da República e participa ativamente da campanha “Diretas Já”. O Congresso da entidade elege, como presidente, Renildo Calheiros.

1985
15/01
1985

TANCREDO NEVES PRESIDENTE

TANCREDO NEVES PRESIDENTE

Motivado pelas Diretas Já, que atraiu milhões às ruas do Brasil, o Colégio Eleitoral elege Tancredo pres. e Sarney vice, por 480 votos. Maluf fica com 180. Há, ainda, 17 abstenções dos que rejeitam a eleição no Colégio.

27/03
1985

PELA PRIMEIRA VEZ DESDE O GOLPE, UNE É RECEBIDA NO CONGRESSO

PELA PRIMEIRA VEZ DESDE O GOLPE, UNE É RECEBIDA NO CONGRESSO

O ministro da Educação, Marco Maciel, recebe a UNE pela 1ª vez desde 1964. A pauta era melhoria na qualidade da educação no Brasil e abertura do regime democrático.

21/04
1985

MORRE TANCREDO NEVES

MORRE TANCREDO NEVES

Após 38 dias de agonia e sete cirurgias, morre Tancredo Neves. A versão oficial informava que fora vítima de uma diverticulite, mas apurações posteriores indicaram que se tratava de um leiomioma benigno, mas infectado. Os médicos esconderam até o fim a existência de um tumor, devido ao impacto que a palavra câncer poderia provocar à época. Os funerais reúnem dois milhões em São Paulo, Brasília e Minas Gerais

28/06
1985

SARNEY CONVOCA CONSTITUINTE

SARNEY CONVOCA CONSTITUINTE

Em 28 de junho de 1985, Sarney cumpriu a promessa de campanha de Tancredo Neves e encaminhou ao Congresso Nacional a Mensagem 330, propondo a convocação da Constituinte, que resultou na Emenda Constitucional 26, de 27 de novembro de 1985. Eleitos em novembro de 1986 e empossados em 1º de fevereiro de 1987, os constituintes iniciaram a elaboração da nova Constituição brasileira de 1988.

1986
14/09
1986

37º CONGRESSO DA UNE DISCUTE CONSTITUINTE E ELEGE GISELE MENDONÇA

37º CONGRESSO DA UNE DISCUTE CONSTITUINTE E ELEGE GISELE MENDONÇA

Durante o seu 37º Congresso, a UNE realizou um amplo debate sobre a Constituinte e estudantes de todo o Brasil aprovaram por unanimidade a proposta de limitar o papel das Forças Armadas, que implantou um sistema vasto de informação na época do regime militar. Gisele Mendonça, de 24 anos, foi eleita presidenta da entidade.

1988
17/08
1988

VOTO AOS 16

VOTO AOS 16

A Constituinte cria o voto aos 16 anos, por pressão UNE, que lota o Congresso Nacional com centenas de manifestantes.

05/10
1988

PROMULGADA A CONSTITUINTE

PROMULGADA A CONSTITUINTE

Promulgada nova Constituição da República definida pelo Congresso Nacional, mantendo no Título V e Capítulo I o estado de Defesa e do estado de Sítio, com restrições aos direitos de reunião, sigilo de correspondência e de comunicação, além de manter a proibição de sindicalização e greve aos militares.

1989
15/11
1989

UNE APOIA LULA NA 1ª ELEIÇÃO PRESIDENCIAL EM 29 ANOS

UNE APOIA LULA NA 1ª ELEIÇÃO PRESIDENCIAL EM 29 ANOS

Acontece o 1º turno da 1ª eleição presidencial em 29 anos. O movimento estudantil faz campanha pelo voto e participação dos jovens nas eleições democráticas após a ditadura. A UNE apóia a campanha do sindicalista Luis Inácio Lula da Silva em sua primeira disputa presidencial com a campanha “Lula UNE o Brasil”. O 40º Congresso da UNE elege Cláudio Langone presidente da entidade.

1991
04/12
1991

CONEG DA UNE APROVA “FORA COLLOR”

CONEG DA UNE APROVA “FORA COLLOR”

Foi em um CONEG (Conselho Nacional das Entidades Gerais) da UNE, em dezembro de 1991, que os estudantes decidiram sair às ruas contra o presidente Fernando Collor, eleito em 1989. Para enfrentar os problemas econômicos da época, Collor adotou uma série de medidas. Uma delas foi o bloqueio do dinheiro da população em conta corrente e poupança. Também fez privatizações e uma reforma administrativa com a extinção de órgãos e empresas estatais, além de congelar preços e pré-fixar salários.Com as caras pintadas de verde e amarelo, engrossavam uma campanha que recebia o nome de “Fora Collor”.

1992
13/06
1992

“CARAS-PINTADAS” GANHAM FORÇA EM TODO BRASIL

“CARAS-PINTADAS” GANHAM FORÇA EM TODO BRASIL

No 42º Congresso da entidade, em junho de 1992, quando Lindbergh Farias assumiu o cargo de presidente, o “Fora Collor” ganhou gás e finalmente se alastrou pelas avenidas do Brasil. A UNE e a UBES se projetam como as grandes mobilizadoras de massas pelo impeachment e encabeçam o movimento “caras-pintadas”, referindo-se à principal forma de expressão e símbolo do estudante: as cores verde e amarelo pintadas no rosto.

16/08
1992

UNE ALASTRA MILHARES NA RUA CONTRA O COLLOR

UNE ALASTRA MILHARES NA RUA CONTRA O COLLOR

Manifestações pró-impeachment em todo o país ganham milhares de adeptos. Como Collor chamou o povo a vestir-se de verde e amarelo, em sua defesa, a campanha começou a usar o preto como cor-símbolo.

29/09
1992

COM PRESSÃO NAS RUAS, COLLOR SOFRE IMPEACHMENT

COM PRESSÃO NAS RUAS, COLLOR SOFRE IMPEACHMENT

Em votação aberta, após tentativa de manobra do presidente para uma sessão secreta, os deputados votaram pela abertura de processo de impeachment de Collor. Foram 441 votos a favor (eram necessários 336), 38 contra, 23 ausências e uma abstenção. Collor renunciou ao cargo, mas, com o processo já aberto, teve seus direitos políticos cassados por oito anos, até 2000.

1994
17/05
1994

ITAMAR FRANCO DEVOLVE TERRENO À UNE

ITAMAR FRANCO DEVOLVE TERRENO À UNE

O presidente da república Itamar Franco assina um protocolo para a devolução definitiva do terreno da Praia do Flamengo aos estudantes. O ato da entrega é comemorado no restaurante Lamas, com participação dos jovens e do presidente tomando um chopp.

03/10
1994

FHC É ELEITO PRESIDENTE DO BRASIL

FHC É ELEITO PRESIDENTE DO BRASIL

A maior coligação conservadora desde 1964 elege FHC presidente no 1º turno (53% dos votos), agitando o Plano Real. A UNE apóia Lula, que obtém 27%.

1995
17/08
1995

ESTADO É RESPONSABILIZADO POR MORTES NA DITADURA

ESTADO É RESPONSABILIZADO POR MORTES NA DITADURA

Governo reconhece a morte de “pessoas desaparecidas em razão de participação ou acusação de participação em atividades políticas no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979”, por meio da Lei 9.140, de 4/12/1995. Mais tarde, o período seria ampliado até 5/10/1988, para reconhecimento de desaparecidos (Lei 10.536, 14/08/2002). Ministério da Justiça instala a Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, criada pela Lei 9.140/95.

1996
11/09
1996

ESTADO É RESPONSABILIZADO POR MORTES DE MARIGUELA E LAMARCA

ESTADO É RESPONSABILIZADO POR MORTES DE MARIGUELA E LAMARCA

A Comissão dos Mortos e Desaparecidos responsabiliza o estado pelas mortes de Mariguela, Lamarca e José Campos Barreto. Fica determina indenização das famílias.

1999
30/06
1999

FIDEL PARTICIPA DE CONGRESSO DA UNE E ENTIDADE RETOMA ATIVIDADES CULTURAIS

FIDEL PARTICIPA DE CONGRESSO DA UNE E ENTIDADE RETOMA ATIVIDADES CULTURAIS

O presidente de Cuba, Fidel Castro, participa do Congresso da UNE em Belo Horizonte. Na ocasião, o mineiro Wadson Ribeiro é eleito presidente da entidade. Acontece também em Salvador a primeira Bienal da UNE, recuperando a atuação cultural do movimento estudantil desde o golpe de 1964.

2001
28/08
2001

INSTALADA A COMISSÃO DE ANISTIA

INSTALADA A COMISSÃO DE ANISTIA

Criada pela Medida Provisória n.º 2.151, a Comissão analisa os pedidos de indenização formulados pelas pessoas que foram impedidas de exercer atividades econômicas por motivação exclusivamente política desde 18 de setembro de 1946 até cinco de outubro de 1988. A Comissão da Anistia tem vínculo direto ao Gabinete do Ministro da Justiça e é composta por 24 conselheiros nomeados e presidida pelo professor universitário e doutorando na PUC/RJ Paulo Abrão Pires Júnior, que já participou de inúmeras atividades da UNE para explicar as atividades da Comissão.

2002
07/04
2002

DOPS EM SP VIRA CENTRO CULTURAL

DOPS EM SP VIRA CENTRO CULTURAL

Memorial da Liberdade é o nome do projeto artístico que transforma o anexo do prédio do Dops, onde ficam as celas, antes usadas para encarcerar presos políticos, em um cenário para exposições de direitos humanos. As outras alas do lugar vão abrigar o Museu do Imaginário do Povo Brasileiro, que ficará totalmente pronto apenas no final deste ano.

22/12
2002

FHC ASSINA DECRETO DO “SIGILO ETERNO” E RECUA COM DEMOCRACIA

FHC ASSINA DECRETO DO “SIGILO ETERNO” E RECUA COM DEMOCRACIA

Decreto do presidente FHC, no último dia de seu mandato, institui a figura do “sigilo eterno” para documentos considerados secretos e ultras-secretos durante o período da ditadura militar. Anos mais tarde, FHC se desculpa e diz que assinou o decreto sem ler.

2005
04/07
2005

MEMORIAL DOS DIREITOS HUMANOS

MEMORIAL DOS DIREITOS HUMANOS

Criado pelo Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC o Memorial dos Direitos Humanos para resgatar toda as atrocidades da ditadura militar no Brasil.

2007
02/02
2007

RETOMADA DA PRAIA DO FLAMENGO, 132

RETOMADA DA PRAIA DO FLAMENGO, 132

Após a sua quinta Bienal, no Rio de Janeiro, a UNE realiza uma grande passeata e ocupa o terreno de sua antiga sede, na Praia do Flamengo 132. O local estava ocupado por um estacionamento clandestino. Após a ocupação, que derrubou os portões do terreno e permitiu o retorno dos estudantes ao seu lar histórico, os jovens levantaram acampamento e decidiram ficar, sob quaisquer circunstâncias.

2008
11/08
2008

PROJETO DE LEI PELA INDENIZAÇÃO DO PRÉDIO DA UNE

PROJETO DE LEI PELA INDENIZAÇÃO DO PRÉDIO DA UNE

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina mensagem que encaminha ao Congresso Nacional um projeto de lei reconhecendo a responsabilidade do Estado brasileiro pela destruição do prédio da UNE em 1964. Foi a primeira vez que Lula pisou no terreno da UNE, no Rio de Janeiro.

2009
01/08
2009

ESCAVAÇÕES NO ARAGUAIA

ESCAVAÇÕES NO ARAGUAIA

Começa série de escavações na região do Araguaia, no sul do Pará, na tentativa de encontrar ossadas dos guerrilheiros mortos pela ditadura durante a Guerrilha do Araguaia, no começo dos anos 1970.

2010
20/12
2010

LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL DA UNE

LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL DA UNE

Ato de lançamento da pedra fundamental que dá início à construção do novo prédio da UNE conta com a presença do presidente Lula. O projeto de lei que reconheceu a responsabilidade do Estado Brasileiro pelo incêndio e demolição da antiga sede foi aprovado em junho. Desenhado pelo ícone da arquitetura e amigo dos estudantes, Oscar Niemeyer, o prédio abrigará um museu, um centro cultural, um teatro e outras instalações a serem ocupadas e utilizadas pela juventude e a população do Rio de Janeiro.

2011
18/11
2011

SANCIONADA A COMISSÃO DA VERDADE

SANCIONADA A COMISSÃO DA VERDADE

Comissão Nacional da Verdade é o nome de uma comissão brasileira que visa investigar violações de direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988 no Brasil por agentes do estado. É formada por sete membros nomeados pela presidenta e catorze auxiliares. A lei que a institui foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 18 de novembro de 2011 e foi instalada oficialmente em 16 de maio de 2012.

2013
18/01
2013

LANÇADA COMISSÃO DA VERDADE DA UNE

LANÇADA COMISSÃO DA VERDADE DA UNE

O lançamento da Comissão da Verdade dos estudantes é lançada durante o 4º Conselho Nacional de Entidades de Base (CONEB), que a UNE realizou em Recife. A iniciativa pretende jogar luz sobre o desaparecimento, perseguição, tortura e morte de jovens brasileiros durante o período da ditadura militar. A morte de Honestino Guimarães será a primeira a ser investigada.

04/02
2013

COMISSÃO DA VERDADE PEDE DEESCULPAS À FAMÍLIA DE RUBENS PAIVA

COMISSÃO DA VERDADE PEDE DEESCULPAS À FAMÍLIA DE RUBENS PAIVA

Estado revela que Rubens Paiva foi morto no DOI-Codi [Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna] pelo 1º Exército e pede desculpas públicas à família pelo desaparecimento do deputado em 1971.

15/03
2013

FAMÍLIA DE HERZOG RECEBE NOVO TESTAMENTO

FAMÍLIA DE HERZOG RECEBE NOVO TESTAMENTO

A família de Vladimir Herzog recebe, durante ato público da 68 ª Caravana da Anistia, organizada pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, o novo atestado de óbito do jornalista, torturado e morto nas dependências do Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (:DOI-Codi), em 1975, durante a ditadura militar. O novo atestado aponta como causa da morte lesões e maus-tratos sofridos por Herzog durante interrogatório no DOI-Codi, órgão ligado ao Exército. Na versão anterior, sustentada pelo Exército na época, a causa apontada foi asfixia mecânica por enforcamento, indicando que o jornalista teria cometido suicídio.

10/10
2013

COMISSÃO DA VERDADE OUVE FILHA DE HONESTINO

COMISSÃO DA VERDADE OUVE FILHA DE HONESTINO

Em depoimento à Comissão da Verdade do Rio no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, companheiros de política e a filha de Honestino, Juliana Guimarães, que tinha apenas três anos quando o pai foi preso, participaram da primeira audiência pública sobre o paradeiro do militante político.Pela primeira vez prestando depoimento em uma Comissão da Verdade sobre o desaparecimento do pai, Juliana Guimarães falou sobre a forma como deixou viva a memória de Honestino e o lançamento da campanha “Trilhas de Honestino”, para recolher informações sobre o pai.

13/12
2013

CORPO DE JANGO É EXUMADO

CORPO DE JANGO É EXUMADO

Começa a exumação dos restos mortais do ex-presidente João Goulart – o Jango – em São Borja (RS), sua cidade natal, onde seu corpo foi sepultado sem que permitissem a realização de autópsia e nem que o caixão fosse aberto no Brasil. A determinação dos militares, durante a ditadura do general-presidente Ernesto Geisel, sempre suscitou dúvidas. A principal suspeita é que ele tenha sido envenenado (colocação de uma cápsula entre os remédios que ele tomava para problemas cardíacos), em 6 de dezembro de 1976, durante seu exílio na Argentina. Com a exumação e as investigações que começam hoje, a dúvida histórica será, finalmente, esclarecida. Os restos mortais do ex-presidente Jango ainda seguiram para Brasília, onde foram recebidos com honras de chefe de Estado pela presidente Dilma Rousseff e ex-presidentes da República, na Base Aérea de Brasília. A exumação se deu a pedido da família de Jango.

2014
17/02
2014

GOVERNO MUDA NOME DE ESCOLA MÉDICE PARA MARIGUELLA

GOVERNO MUDA NOME DE ESCOLA MÉDICE PARA MARIGUELLA

O Governo do Estado da Bahia mudou oficialmente o nome do Colégio Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici para Carlos Mariguella, grande guerrilheiro na época da ditadura militar. A ação foi motivada após solicitação de alunos, ex-alunos, professores, pais e responsáveis, além da diretoria da unidade.




Índice